lavagem de dinheiro

Alckmin vira réu por corrupção, lavagem e falsidade ideológica

Marco Antonio Martin Vargas, da 1ª Zona Eleitoral de São Paulo, recebeu denúncia por supostos repasses ilícitos nas campanhas de 2010 e 2014
Por: Redação Franca Noticia | Categoria: Brasil | 30-07-2020 22:12 | 71
Ex-governador esta sendo acusado de corrupção
Ex-governador esta sendo acusado de corrupção Foto de Estadão Conteúdo

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) virou réu nesta quinta-feira (30), por corrupção, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral (caixa dois), após o juiz Marco Antonio Martin Vargas aceitar denuncia apresentada pelo Ministério Público Eleitoral na última quinta (23). Com a decisão, o tucano passa a responder a ação penal eleitoral por suposto caixa dois de R$ 11,9 milhões pagos pela Odebrecht nas campanhas de 2010 e 2014.

A decisão também coloca no banco dos réus o então tesoureiro da campanha de Alckmin em 2014, Marcos Monteiro, e o ex-assessor do governo Sebastião Eduardo Alves de Castro. Ambos teriam recebido os repasses ilegais da empreiteira em nome do tucano. 

De acordo com o juiz eleitoral, o Ministério Público Eleitoral apresentou indícios suficientes de materialidade dos crimes supostamente cometidos pelo tucano.

Entre as provas listadas pela Promotoria, no que ficou conhecido como ‘Lava Jato Eleitoral’, estão depoimentos de delatores da Odebrecht, registros de pagamentos, e-mails e planilhas com codinomes relacionados à Marcos Monteiro (‘M&M’) e até mensagens trocadas por funcionários do doleiro Alvaro José Gallies Novis, que teria operacionalizado o pagamento de R$ 9,3 milhões em propinas a Sebastião Alves de Castro, o ‘senhor Eduardo Castro’. 

O cunhado do ex-governador, Adhemar Ribeiro, o ‘Belém’ do Setor de Operações Estruturadas da Odebrecht, teria recebido R$ 2 milhões em 2010, mas o Ministério Público apontou que os crimes já prescreveram.

Fonte: R7